);
Widget Image

Atendimento especializado e descomplicado em Medicina do Sono e Neurologia. Dormir bem é algo essencial para ter qualidade de vida.

Agende uma consulta clicando aqui!

Últimas postagens

HORÁRIO DE ATENDIMENTO: 08:00 - 17:00
ESTAMOS EM: MANAUS
CONTATO: (92) 99901-5080 / (92) 99192-3240 / (92) 3659-3240
SIGA-NOS:
 

DISTÚRBIOS DO RITMO CIRCADIANO

Estes transtornos se manifestam por desalinhamento entre o período do sono e o ambiente social de 24 h, relacionado a alterações dos sistemas de temporização internos ou circadiano (CIDS-3) e podem ser primário ou secundário. Existem dois padrões bastante frequentes a Síndrome da fase atrasada do sono ou da fase avançada do sono, vistos respectivamente no adolescente e no idoso. A queixa do adolescente pode simular quadro de insônia quando deita no horário normal e demora horas para adormecer, mas também simula sonolência quando ele não consegue levantar pela manhã. O quadro do idoso pode aparentar sonolência quando ele adormece às 20 h, assistindo televisão, mas também aparenta insônia ao acordar de madrugada, sendo incapaz de voltar a dormir (MARTINEZ et al., 2008) (Quadro 7).

Figura 7 – Ritmo Circadiano

 

Figura 7a e 7b Como o dia influencia a sua vida Fonte: http://nutricaoacessivel.blogspot.com

 

Quadro 8: Transtornos de ritmos existentes

Transtornos primários

  1. Fase atrasada do sono;
  2. Fase avançada do sono;
  3. Padrão irregular do ciclo sono-vigília;
  4. Transtorno d ciclo sono-vigília diferente de 24h;

Transtornos secundários

  1. Síndrome de mudança rápida do fuso horário (jet lag);
  2. CRSD secundário ao trabalho em horário irregular;
  3. CRSD secunbdário e doençcas;
  4. CRSD secundário ao suso de drogas e/ou medicamentos.

(Fonte: CIDS-3)

O diagnóstico desses distúrbios é feito com a história clínica, a aplicação de um diário do sono associada ou não de uma actigrafia. O tratamento desses distúrbios é feito com a prática de higiene do sono e a utilização de melatonina e fototerapia com luz clara em períodos específicos do dia (MARTINEZ et al., 2008).

Aprenda mais: